Recuperação de crédito tributário – perdas com clientes

Portaria 14.402 estabelece condições para transação excepcional na cobrança da dívida ativa da União
Portaria 14.402 estabelece condições para transação excepcional na cobrança da dívida ativa da União
8 de julho de 2020
Dívidas com ICMS podem levar sócios a responder na justiça
Dívidas com ICMS podem levar sócios a responder na justiça
25 de agosto de 2020
Recuperação de crédito tributário - perdas com clientes

Todas as empresas que prestam serviço ou vendem algum produto, permitindo o pagamento posterior à realização do serviço, correm o risco de não receber, fazendo aumentar a lista de inadimplentes e também a de dívidas, já que, apesar de ocorrerem as vendas, o dinheiro não entra em caixa.

Esta é, sem dúvidas, uma situação extremamente negativa para as empresas, especialmente àquelas onde o valor a receber pode ser bastante significativo, como bancos e instituições financeiras.

Sabendo dessa realidade e visando zelar pela continuidade dos negócios, empresas enquadradas no Lucro Real, cuja receita bruta anual ultrapassa R$78 milhões e/ou que atendem aos requisitos legais do regime, têm o direito de amenizar as perdas com o não recebimento em suas operações. Saiba mais a seguir.

Como amenizar as perdas com não-recebíveis

No Art. 340 do Regulamento do Imposto de Renda, bem como no Art. 9º da Lei nº 9.430/1996, está previsto que as perdas sofridas por conta do não recebimento nas operações que a empresa exerce poderão ser consideradas como despesas na apuração do lucro real.

Para um controle mais efetivo e o melhor aproveitamento do benefício concedido, empresas que se enquadram na situação acima exposta devem fazer a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD).

Seu objetivo é estimar, de acordo com o histórico ou estudos baseados no ramo de atividade exercida pela empresa, um valor de dívidas não liquidadas tão preciso quanto possível. A partir desta estimativa, o valor obtido é deduzido do total de clientes a receber no período, chegando a um valor mais realista do que a empresa irá receber, de fato.

Confira agora um exemplo prático:

Se no mês 07/2020 a empresa X vendeu R$ 200 mil, sendo que R$150 mil são para recebimento a prazo, a empresa deve estimar, conforme as estatísticas, a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa. Assim, segundo o histórico dos últimos cinco anos, a empresa observa que a média de créditos não recebidos é de 5% para o período. Logo:

Clientes a Receber: R$ 150.000,00

PCLD: R$ (7.500,00)

Portanto, pode-se concluir que a empresa X receberá, aproximadamente, R$ 142.500,00 do total.

Contudo, passado o prazo determinado pelo Regulamento do Imposto de Renda e a Lei nº 9.430/1996 para que a dívida seja realmente considera como incobrável e perdida, foi verificado que a perda não foi de 5%, e sim de 8% no período determinado.

Deste modo, a empresa X recebeu somente R$ 138.000,00, em vez dos R$ 142.500,00 que havia previsto. No entanto, o imposto de renda da pessoa Jurídica (IRPJ) e a contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL) foram tributados sobre 142.500,00, e não sobre os 138.000,00.

É neste momento que a Receita permite à empresa recuperar crédito tributário referente aos impostos pagos e não recebidos, diminuindo a soma dos prejuízos. A recuperação desse valor é feita por meio de créditos tributários, que podem compensar o débito do próximo mês, por meio de PERDCOMP.

Conclusão

Trata-se de um processo que deve ser feito com detalhe e cautela, já que qualquer erro pode resultar em prejuízos significativos para a empresa. Ademais, por se enquadrarem no Lucro Real, a carga tributária é significativamente alta e a recuperação do valor correspondente às perdas é de grande valia para a saúde financeira do negócio.

Esteja você enquadrado ou não no Lucro Real, o auxílio de um contador especializado é fundamental para garantir a conformidade legal e o bom andamento dos negócios. Por isso, seja para a recuperação de crédito tributário ou quaisquer outros serviços, conte com a Vial & Costa. Fale agora mesmo com um de nossos especialistas.

WhatsApp Olá, tire suas dúvidas por aqui!